CARLOS GERALDO LANGONI

GERENCIANDO EXPECTATIVAS

A confiança do empresário calculada pela FGV mantinha tendência de forte alta até janeiro.

A análise desagregada mostra, entretanto, preocupante assimetria: o índice corrente permanecia relativamente estável. Parcela substancial da alta era explicada pelas expectativas futuras contaminadas pela agenda de reformas.

Atividade:

Esse resultado é consistente com a lenta expansão da atividade: o comércio varejista em dezembro recuou, deixando a taxa em 12 meses do ano passado no frustrante patamar de apenas 2,3%.

O setor serviços permaneceu virtualmente estagnado (-0,1% em 12 meses), o que ajuda a explicar o nível ainda elevado da taxa de desemprego.

Por outro lado, o indicador antecedente do PIB (IBC-Br), calculado pelo BC, avançou apenas 1,15% ano passado, reforçando a aposta em trajetória ainda abaixo de seu potencial.

Expectativas:

É possível antecipar certa estabilização dos índices de confiança no patamar atual. A formação de expectativas voltará a ser dominada pela componente política a partir de março.

O primeiro impacto será a definição do projeto governamental de Reforma da Previdência - o nível de consistência e sua contribuição efetiva para a consolidação fiscal.

O ideal é a geração de economia nas despesas primárias da ordem de 1,5% do PIB, em média, nos próximos 10 anos.

Esse ganho potencial, combinado com a recuperação da receita fiscal em termos reais em função do maior dinamismo do PIB, deve assegurar a estabilização e posterior queda da relação dívida bruta / PIB - indicador-chave de solvência interna.

Volatilidade:

A etapa seguinte será o nível de desidratação da proposta oficial pelo Congresso. O grande trunfo da equipe econômica é o apoio dos Governadores: o rombo da Previdência é tambem a principal causa dos desequilíbrios orçamentários nos estados.

Muitos deles dependem do Governo Federal para viabilizar o complexo processo de recuperação fiscal.

De qualquer forma, a característica desse período (possivelmente o 2º e 3º trimestres) deverá ser aumento da incerteza e, portanto, alto nível de volatilidade do câmbio, IBOVESPA e de juros futuros.

O timing é também fundamental: uma reforma mais simples e gradual - por exemplo, embutindo gatilho automático de correção da idade mínima acompanhando a melhora na expectativa de vida - parece ser superior do que um ajuste profundo, mas cuja aprovação se estenda ao longo do tempo.

Aposta:

As estimativas de mercado sugerem que a reforma da Previdência será aprovada ainda este ano. Nesse cenário, o déficit primário cairá pela metade até 2020, pelo impacto positivo de receitas não recorrentes como cessão onerosa, concessões, privatizações e transferências do BNDES.

Curiosamente, o PIB, nas estimativas de mercado, cresce apenas moderadamente, permanecendo no patamar de 2,5% neste e no próximo ano.

Há clara subestimação da resposta da taxa de investimento à melhora na percepção de risco-país em função da redução dos desequilíbrios internos.

Em resumo, a tendência de curto prazo é de estabilização nos índices de confiança. A componente política deverá voltar a dominar a formação de expectativas elevando o grau de volatilidade do mercado acionário e do câmbio.

Superada essa fase crítica e aprovada a reforma, a aposta é em círculo virtuoso marcado por nova onda de otimismo que deverá reduzir a aversão ao risco, alavancando o investimento e elevando o PIB potencial.

Siga nossas Redes Sociais

Receba nossas Notícias